quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

As Palavras que Te Digo

Vem, Espírito Santo, e inspira minha oração; faz brotar de meus lábios palavras puras e verdadeiras, e enche meu coração daquilo que queres que minha boca fale.

Senhor, eu sei que não Te peço “vem” para que venhas — afinal, se és infinito, tudo está em Ti e eu não poderia ficar distante mesmo que tentasse; e, se és Tu que inspiras minha oração, já estás aqui, me mostrando o que dizer. Não, não é para vires que me inspiras a pedir-Te “vem”, mas para que eu não me esqueça de que nunca me deixaste.

Senhor, sabes que, se Te digo que confio que sempre estarás comigo, não digo tudo: afinal, quando digo que “confio” em algo, digo que espero que esse algo se realize enquanto admito a possibilidade de ele não acontecer. Não, não é apenas de confiança que devo falar quando me referir a Ti, mas da certeza de que nunca hás de falhar.

Deus, amado Criador, faz com que essas palavras se tornem atitude; que, a exemplo Teu, eu vá do dizer ao fazer, e passe a amar-Te com tudo que tenho assim como Jesus Cristo, na cruz, não me amou com menos do que tudo que tinha.

Senhor, ensina-me a deixar-Te ser meu Deus, e ajuda-me a não esquecer que “quando sou fraco, então é que sou forte”; ajuda-me a não esquecer outra vez que a minha força não é suficiente, mas que a Tua é inesgotável.